Nossa História

Itatiba 05/01/2015 16h45 > Atualizada 08/01/2015 10h21

A cidade de Itatiba, fundada em 1804 e emancipada politicamente em 1857, chegou ao final do século XIX como uma das mais proeminentes do interior paulista, tanto pela prosperidade econômica de sua aristocracia rural como pela destacada inteligência de muitos de seus filhos.

Apesar do grande desenvolvimento urbano, a cidade carecia de hospital estabelecido dentro das normas exigidas pelo progresso da época. Os enfermos tratavam-se em casa, medicados pelos primeiros médicos que aqui prestaram seus serviços: Dr. Gabriel de Toledo Piza e Almeida, Dr. Alfredo Perroud, Dr. Vicente Logato e Dr. João dos Santos Rangel (genro do Capitão Antônio Ferraz Costa).

Os mais abastados fazendeiros e comerciantes se reuniram por iniciativa do Tenente-Coronel Francisco Rodrigues Barbosa -“Chico Peroba”- com a finalidade de se criar um hospital de caridade em Itatiba. Nasceu assim a Santa Casa de Misericórdia de Itatiba, fundada no dia 1 de janeiro de 1899, tendo como fundadores: Tenente-Coronel Francisco Rodrigues Barbosa, Capitão Antônio Ferraz Costa, Capitão Dr. Alfredo Perroud, Dr. J.J. Carvalho Filho, Estanislau José Soares, Benedito Leite de Paula e Ambrósio Dolce.

A Assembléia de Fundação elegeu provisoriamente um diretoria, assim constituída: Tenente-Coronel Francisco Rodrigues Barbosa - Provedor, Capitão Antônio Ferraz Costa -Vice Provedor, Capitão Dr. Alfredo Perroud- 1º Tesoureiro, Estanislau José Soares- 1º Escrivão, Dr. J.J. de Carvalho Júnior- 2º Escrivão, Benedito Leite de Paula -Procurador, e Ambrósio Dolce- Auxiliar.

A assembléia de 7 de maio de 1899 elegeu a primeira diretoria definitiva que ficou assim constituída: José Pupo da Silveira - Provedor, Dr. Paulo Lacerda - Vice Provedor, Narciso Azevedo - 1º Escrivão, Adelino dos Santos - 2º Escrivão, Dr. Alfredo Perroud - 1º Tesoureiro, Pedro Ramalho - 2º Tesoureiro, Benedito Leite de Paula - 1º Procurador, Pedro Martins Guimarães - 2º Procurador, Comendador Lourenço Alves Cardoso - Mordomo, Antônio Rangel - Mordomo, Francisco da Silveira Pupo - Mordomo, Antônio Alexandre Barbosa - Mordomo, Manuel Alves Rodrigues - Mordomo.

Os primeiros médicos que prestaram serviço em nosso hospital foram: Capitão Dr. Alfredo Perroud, Dr. João dos Santos Rangel, Dr. Vicente Logato, Dr. Arruda Sampaio e Dr. Ubaldo Zamboni, que consoante a ata da reunião de 20 de maio de 1900, foram considerados Sócios Benfeitores.

A Santa Casa de Misericórdia de Itatiba foi instalada primitivamente num prédio alugado, situado na Rua da Ponte, Nºs 42 e 43 (atual Rua Comendador Franco, Nº 304) onde hoje se encontra a sede da Corporação Musical Santa Cecília.  Somente a 20 de junho de 1901 é que a Misericórdia adquiriu os referidos edifícios, com verba advinda de substanciais donativos dos fazendeiros locais. No ano de 1902 o Dr. Vicente Logato muda-se de Itatiba. Em 1º de janeiro de 1902 é inaugurado o Salão Nobre, com o retrato do Capitão Dr. Alfredo Perroud. Nesta mesma data a diretoria admite o médico Dr. Mário Gracho Pinheiro Lima, e a 6 de julho do mesmo ano chega à instituição o médico Dr. Luís Gonçalves da Silva, eleito diretor-Médico a 29 de maio de 1904. No ano de 1905 o Dr. Fabrício Vampré, é elogiado pelos serviços médicos que está prestando ao hospital. O Dr. Nery Gonçalves , por seus serviços de destacado exercício da medicina , recebe o título de Benfeitor, e a 14 de outubro do mesmo ano é admitido o médico Dr. Elizaldo Ferreira Goyos.

O Dr. Nóbile Cavaliere, médico italiano, cuja data de admissão ao Corpo Clínico da Santa Casa ainda não descobrimos, convidou a 11 de junho de 1911, o Dr. Eduardo Calazans para com ele alternar mensalmente os serviços médicos na Santa Casa. Pouco tempo permaneceu o Dr. Eduardo Calazans em Itatiba, de forma que em 1914 o Dr. Nóbile Cavaliere encontrava-se novamente sozinho no corpo clínico. Mas por pouco tempo, pois a 9 de março é admitido o Dr. Oliveira Fragoso. E em 13 de abril, é admitido o Dr. Luís de Mattos Pimenta, com a seguinte ressalva da diretoria: “uma vez que houvesse acordo entre o requerente e o seu colega Dr. Oliveira Fragoso”. A chegada do Dr. Luís de Mattos Pimenta mudaria de modo marcante a história da Santa Casa de Misericórdia de Itatiba.

Havido o acordo com o Dr. Fragoso, cuja data de saída do corpo clínico não descobrimos, o Dr. Pimenta iniciou sua atividade profissional nesta cidade. Quanto ao Dr. Nóbile Cavaliere, sendo oriundo da Itália, onde deixara família, exercia a medicina até então no Brasil, com licença especial do governo. Neste mesmo ano de 1914 retornou ele a Nápoles, sua terra natal. O Dr. Luís de Mattos Pimenta, fluminense de Campos, fora indicado para trabalhar em Itatiba pelo Professor Doutor João Bueno de Aguiar Pupo, itatibense, insigne Catedrático de Dermatologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Atendia assim o Dr. Aguiar Pupo a uma solicitação de seu pai, o Major Herculano Pupo Nogueira, então Prefeito Municipal de Itatiba.

Itatiba prosperou mais ainda no primeiro quartel do século XX, e a demanda por serviços e instalações médicas mais adequadas crescia. Na velha  Santa Casa, as instalações já não comportavam as necessidades, os leitos eram poucos, não havia sala de cirurgia decente. Tal situação resultava na transferência de muitos doentes para hospitais de cidades vizinhas, fato que causava vergonha ao governo municipal e aos cidadãos. Procurou o Dr. Pimenta sensibilizar a população quanto à necessidade  de uma modernização do hospital. Inicialmente procurou ele melhorar o atendimento dos enfermos, adquirindo instrumental médico mais moderno, trocando estoque de medicamentos vencidos, trocando ou consertando o mobiliário.

Posteriormente idealizou a construção de um novo edifício para a Santa Casa, aproveitando tudo que fora adquirido para o velho hospital. Em 4 de dezembro de 1919, o Dr. Pimenta lança a idéia de se edificar uma nova Santa Casa, que foi aprovada pela diretoria em 14 de dezembro. Somando recursos vindos de subscrição pública, de legados, de doações, da venda de propriedades da Santa Casa, da renda das quermesses organizadas pelo Diretor Espiritual Monsenhor Juvenal Augusto de Toledo Köhly e de um óbolo retirado de sues próprios vencimentos, o Dr. Pimenta conseguiu o montante suficiente para dar início à tão desejada edificação.

Em 18 de dezembro de 1921 foi lançada a pedra fundamental do novo hospital, com a bênção e o discurso do Diretor Espiritual, e com a presença de grande parte da população. O terreno escolhido foi o localizado no início da Avenida da Saudade, então totalmente despovoada, de propriedade de Luís Simioni.

Neste período o Dr. Pimenta recebe no corpo clínico o Dr. Etelvino Cortez, que inicia suas atividades em 12 de setembro de 1921. Nas comemorações do primeiro centenário da Independência do Brasil, foi inaugurado o novo prédio que passa abrigar a Santa Casa de Misericórdia de Itatiba, fato histórico para a cidade, que honrou os cidadãos de então, principalmente os diretores da época: Antônio Rangel - Provedor, Joaquim Pedro de Alcântara Pupo - Vice-Provedor, Joaquim Bueno de Campos - 1º Escrivão, Francisco Alves Mourão - 2º Escrivão, Antônio João Batista Andreatta - 1º Tesoureiro, José Del Nero - 2º Tesoureiro, Mordomos: José Pelegatta, Antenor Moreira, Evaristo Silva, Urbano Bezana, Pedro Rebello, Benedito Godoy Moreira.

Inaugurado o novo prédio, o Dr. Pimenta passa a instalar nele os diversos departamentos, treinando os funcionários e ordenando o funcionamento , no que muito foi ajudado pelas freiras da congregação de São Carlos Borromeu, que chegaram à Santa Casa em 11 de fevereiro de 1924, para assumir a direção interna sob o comando da Superiora Irmã Angelina Maneghesi. O ano de 1924 marca duas novas ampliações no hospital: a Clausura das Freiras (14 de abril ) e o Necrotério (10 de novembro).

A Sra Otília Soares Moreira Lima , de tradicional família local é homenageada com o título de sócia-benemérita, em 16 de março de 1925. Em 1926 são homenageados o Visconde Nova Granada e a Sra. Ana Francisca de Morais e Silva. O Dr. Armando Araripe foi admitido como médico em 14 de março de 1917, mas permaneceu por pouco tempo no hospital.

Com a presença do Exmo. e Revmo. Sr. Dom José Maurício da Rocha, primeiro Bispo de Bragança Paulista, é inaugurada a Capela de São Carlos Borromeu, deste hospital, em 14 de maio de 1928, doada pela Sra Filomena Scavone Oddone.

Por doação, de 8 de janeiro de 1929,  do industrial Luís Scavone foi construído o “Pavilhão D. Rosa Perrone Scavone”, inaugurado em 14 de abril de 1930. Em 1932 foi homenageado o médico Dr. A.Magalhães D’Ávila, pelos serviços prestados; em 1934  a diretoria homenageou a nobre itatibense Viscondessa de Nova Granada.

Necessitando de nova ampliação que acomodasse o Ambulatório, Sala de Curativos e Sala de Esterilização, foi o hospital beneficiado mais uma vez pelo empresário Luís Scavone que, em 1 de janeiro de 1935, dou em homenagem à memória de sua mãe, o “Pavilhão Rosa Sálvia Scavone”, no qual, na mesma data, também foi instalado o primeiro Laboratório do hospital, por doação do Senador Antônio de Lacerda Franco, de D. Cândida Joly da Silva , de D. Otília Soares Moreira Lima e do povo de Itatiba. Sobre o “Pavilhão Rosa Sálvia Scavone” foi edificado o “Pavilhão Salvador Oddone”, doado por sua mulher D. Filomena Scavone Oddone, também em 1 de janeiro de 1935. O Dr. José Fachardo Junqueira é admitido no hospital em 15 de maio de 1936, e inicia seus serviços clínicos e cirúrgicos na cidade.

Em 1941 é construída a “Enfermaria Luísa Correia Sanfins” (atual Secretaria) com os donativos de Manuel Augusto Sanfins. Esta enfermaria foi ampliada em 1943 com a construção da “Enfermaria Filomena Scavone Oddone” (atual Unidade de Terapia Intensiva).

Em 8 de janeiro de 1947 faleceu o Dr. Luís de Mattos Pimenta, confortado pelo carinho e gratidão de todos os itatibenses. Muito festejada foi a instalação do serviço de Radiologia, com aparelho doado pelo empresário Luís Scavone, em agosto de 1945. Para substituir o Dr. Pimenta, em 31 de janeiro de 1947 chegou ao hospital o Dr. Carlos de Almeida Pitombo e em 24 de junho de 1949 inicia seu trabalho o Dr. Ramiro de Araújo Filho.

A Maternidade Ana Abreu foi doada pelo Senador Paulo Abreu, em 1950, e depois ampliada em novembro de 1951 com o patrocínio do Deputado Dr. Plínio Cavalcanti de Albuquerque.

Em 1968 foram edificadas as nova alas da Santa Casa, constando dela três blocos que acolheram os apartamentos (Pavilhão Domingos Pretti), os quartos de previdência (Pavilhão  Joaquim Bueno de Campos) e a Clausura (Pavilhão Antônio João Batista Andreatta), posteriormente transformada em enfermaria de Pediatria, e ainda no térreo o Laboratório de Análises Clínicas (posteriormente o Pronto Socorro). Terminada esta construção imediatamente foram edificados  adendos ao Apartamento (posteriormente :Pavilhão Benedito de Godoy Camargo), ao Bloco B (posteriormente: Pavilhão José Ferrari), o novo Salão Nobre (posteriormente: Centro de Estudos Urbano Bezana) e a cozinha (posteriormente :Pavilhão Dr. José Chaves). A construção destes pavilhões novos só foi possível graças ao trabalho contínuo da Comissão de Obras constituída pelos diretores: Sr. Giácomo Rela, Dr. José Chaves e Sr. José Pretti, bem como do Diretor-Administrador Sr Otalibe Pelliser. A “Unidade de Terapia Intensiva Alfredo Rela” foi instalada em 1 de novembro de 1991.

Durante muito tempo a Santa Casa ficou com apenas dois Médicos: Dr. Pitombo e Dr. Fachardo; posteriormente chegaram uma nova geração de médicos, uma plêiade de dedicados profissionais que vêm honrando o exercício da arte de Hipócrates em nossa cidade, deles destacamos os primeiros desta nova leva: Dr.Homero Novo Fornari, Dr. João Baptista dos Santos Mattiolli (1º cardiologista), Dra Idyllia Lázaris, Dr. Otávio Varella, Dr. Hermes Bernardi, Dr. Lutfala Cury (1º anestesista), Dr. Guilherme Grimaldi Netto (1º ortopedista), Dr. Sílvio Borges (1º otorrinolaringologista), Dr. Marcos de Sousa Filho (1º pediatra), Dr. Antônio Carlos Pântano (1º ginecologista), Dr. Antônio Carlos de Camargo, Dr. Irineu Munhoz, Dr. Olair Galvão Consolin, Dr. João Batista Chaves (1º Secretário de Saúde do Município), Dr. Benedito Florindo da Silva, Dr. Leôncio Martinelli Filho. Estes últimos quatro médicos acima citados, foram os únicos Internos, que passaram pela experiência de residir na Santa Casa por alguns anos.

E numa fase mais recente, muitos outros vieram engrossar fileiras na batalha de defesa da Santa Casa. Atualmente a Santa Casa de Misericórdia de Itatiba está ampliando seus serviços, com instalação de novos equipamentos, destacando-se o serviço de tomografia, mamografia, radiologia e ultrassonografia e o Corpo Clínico é formado por 23 especialidades.

Desta forma a Santa Casa de Misericórdia de Itatiba, hoje com 116 anos chegou ao século XXI, tendo como atual Provedor Comendador Benedito Netto, orgulhosa de seu passado e esperançosa de seu futuro, tranqüila pelo cumprimento das obras espirituais e corporais de seu Compromisso, como pioneira nas campanhas sociais, no amparo à infância e aos idosos, bem como no atendimento aos enfermos, mormente aos carentes.